NOTÍCIAS

Postado em 24 de Maio de 2018 às 17h40

Demandas do Oeste são apresentadas à Câmara de Tecnologia e Inovação da FIESC

  • ACIC CHAPECÓ -
  • ACIC CHAPECÓ -
  • ACIC CHAPECÓ -
  • ACIC CHAPECÓ -
  • ACIC CHAPECÓ -
  • ACIC CHAPECÓ -

Núcleo de Tecnologia de Informação e Comunicação da ACIC, Deatec e Simec expuseram importância do setor de TI e as necessidades para continuar se desenvolvendo

O setor de tecnologia está em fase de expansão no mundo todo e no Oeste catarinense não é diferente. As demandas do setor foram discutidas nessa semana em reunião da Câmara de Tecnologia e Inovação da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC), em Chapecó. Participaram a Associação Comercial e Industrial de Chapecó (ACIC), a Associação Polo Tecnológico do Oeste Catarinense (Deatec) e o Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e do Material Elétrico de Chapecó (Simec).

Representando a Vice-Presidência Regional Oeste da FIESC, Djalma Velho de Azevedo abriu a reunião. O presidente da Câmara Alexandre d’Avila da Cunha informou que a FIESC e suas entidades (SENAI, SESI e IEL) contribuem para o desenvolvimento das empresas de tecnologia. “Atualmente, fala-se muito em indústria 4.0. Porém, a base ainda é trabalhar o mercado e produtos e, após, trazer inovação, trabalhando a manufatura avançada (indústria 4.0)”.

O setor de tecnologia em Chapecó e região é um mercado em franca expansão que movimenta universidades, empresas e fomenta o empreendedorismo com a criação de diversas startups. Chapecó é reconhecida como um dos principais polos de empresas de base tecnológica do Estado e também como um dos maiores polos de startups por média populacional do Brasil. Muitas dessas empresas comercializam seus produtos para todo o Brasil e mundo.

De acordo com pesquisa da Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia (Acate), a região possui 11% das empresas de tecnologia e é responsável por 8% do faturamento do Estado. O Oeste é a segunda região que mais cresce, com índice de 9,6%, atrás apenas da região serrana. Os dados foram apresentados pelo presidente da Deatec, André Telöcken. “Em 2014 tínhamos 50 empresas associadas que empregavam mil colaboradores, com média salarial de R$ 2,5 mil e faturamento de R$ 80 milhões. A previsão para 2018 é encerrar o ano com 120 empresas associadas, com 2,2 mil colaboradores e faturamento de R$ 110 milhões”.

Telöcken enfatizou que a Deatec tem mais de dez anos de atuação e conquistou o seu lugar entre as entidades empresariais mais representativas e respeitadas do Oeste pelo seu perfil reivindicatório e dinâmico. Entre suas metas, está fortalecer o desenvolvimento do ecossistema de tecnologia e inovação do grande Oeste. “Temos o papel de estimular a tríplice hélice. A união das empresas, universidades e poder público é fundamental para o ecossistema se desenvolver”, salientou.

ECOSSISTEMA

Para o presidente da ACIC, Cidnei Barozzi, é fundamental reunir as entidades para desenvolver o ecossistema de inovação. “Além de discutir sobre produtos, serviços e processos, precisamos pensar nas pessoas envolvidas e que atuam nesse segmento”, comentou. O ecossistema do setor de tecnologia e inovação na região Oeste e suas necessidades foram apresentados pelo coordenador do Núcleo de Tecnologia da Informação e Comunicação da ACIC Sidimar Carniel e pelo o diretor de Tecnologia e Inovação Gustavo Damschi.

De acordo com eles, o ecossistema precisa de ações de fomento e oportunidades em cinco áreas: talento (alavancar o investimento em capital humano através da criação de mercados de trabalho flexíveis que atraem pessoas com diversas habilidades e experiências); densidade (criar hubs, conscientizar a imprensa, construir redes com mentores e ligar acadêmicos e pesquisadores com as empresas); cultura (destacar empreendedores como modelos de conduta e o fracasso como parte do processo de aprendizagem, ensinar habilidades e incentivar a comunicação); capital (investidores podem mentorar empreendedores ao longo de suas jornadas e os decisores políticos podem tornar mais fácil o acesso ao capital); e regulamentos (apoiar empreendedores proporcionando estabilidade e usando o sistema fiscal para incentivar investimento, decisões de riscos e a formação de capital).

O presidente do Simec Adilson Campos apresentou as demandas dos setores representados pelo sindicato e que foram alinhadas ao Programa de Desenvolvimento Industrial Catarinense (PDIC). Entre elas estão: mapear as tecnologias inovadoras e de redes inteligentes de maior interesse/viabilidade a serem adotadas até 2022; capacitar empresas em estratégias de captação de recursos para PD&I; desenvolver pesquisas cooperativas com foco em conectividade dos sistemas de produção e da indústria 4.0; qualificar institutos para apoio às indústrias na aplicação de soluções; criar laboratórios compartilhados para desenvolvimento de produtos a custos reduzidos; atrair e desenvolver empresas de base tecnológicas para o setor e incentivar programas de cooperação tecnológica com instituições nacionais e estrangeiras.

O panorama econômico brasileiro e catarinense foi exposto por Juliano Anderson Pacheco, do Observatório da Indústria Catarinense, uma área da FIESC voltada ao planejamento e desenvolvimento estratégico da indústria. A ferramenta monitora os principais fatores que afetam a competitividade industrial em Santa Catarina, analisa o desempenho econômico e as tendências tecnológicas dos setores estratégicos e fornece informações para a tomada de decisões nas esferas regional, estadual e até mesmo internacional.

Para encerrar a reunião, o gerente de Certificação PCN do Brasil Diego de Moura e o diretor da Lenke Jailson Mendes apresentaram o case de sucesso da empresa certificadora. Moura explicou que a certificação é um processo no qual uma entidade independente (Organismo de Certificação) avalia se determinado produto atende às normas técnicas. A PCN do Brasil e a Lenke possuem um projeto de desenvolvimento do Instituto de Pesquisa e Ensaios de Compatibilidade Eletromagnética, o que contribuirá para a certificação na era da Internet das Coisas (IoT) e indústria 4.0.

Alexandre d’Avila da Cunha encaminhou a formação de grupos de trabalho para discutir e buscar soluções para as demandas apresentadas durante o encontro. “O que foi exposto na reunião demonstra a força que temos quando atuamos juntos. A FIESC está à disposição para a elaboração de projetos que proporcionem competitividade ao setor produtivo”, finalizou.

Veja também

CENA - Oportunidades de vendas por meio do marketing digital09/08/17 Um conjunto de estratégias voltadas para a promoção de uma empresa na internet, permitindo análise dos resultados. Assim pode ser definido o marketing digital, uma ferramenta que está presente na vida de qualquer pessoa ou organização que tem acesso à internet. Para explanar sobre sua importância e como deve ser feito, o Programa Capacitação......
FIESC/SESI e ACIC apresentam Fundo Social para empresários de Chapecó17/04/18Município tem potencial para investir R$ 20 milhões em leis de incentivo fiscal Um mapeamento realizado pela Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC) mostra que em Chapecó existem 70 indústrias do regime tributário de lucro real com possibilidade de fazer uso de incentivo......

Voltar para Notícias