NOTÍCIAS

Postado em 09 de Dezembro de 2014 às 14h47

Nota de Repúdio

ACIC, CDL e SICOM REPUDIAM MUDANÇA NO CÁLCULO DE SUPERÁVIT PRIMÁRIO

A aprovação do Projeto de Lei 36/14, que altera a forma de cálculo do superávit primário, atinge o princípio da responsabilidade do agente político e da administração pública e contribui “de forma direta com a ilegalidade, a incompetência e a irresponsabilidade fiscal”. Dessa forma, a Associação Comercial e Industrial de Chapecó (Acic), a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) e o Sindicato do Comércio da Região de Chapecó (Sicom) enviaram documento ao presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros, repudiando a aprovação, no último dia 4, do projeto que muda o cálculo do resultado primário do governo e permite abater do cálculo as desonerações fiscais concedidas e os investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Considerando a aprovação do PLN 36/14, por senadores e deputados federais, como irresponsável, as três entidades empresariais afirmam que “tal procedimento apenas acomoda politicamente as pressões oriundas do governo federal, calando as vozes do Congresso Nacional e aliciando os poderes da República numa prática espúria, que dilacera a Carta Magna e fragiliza a credibilidade de um Estado sério”. Acrescentam Sicom, CDL e Acic esperar que os próximos quatro anos sejam de “mais seriedade e responsabilidade na política brasileira, especialmente no que tange ao erário público e à administração pública em todos os níveis”.

As entidades empresariais lembram que em sua história o Brasil tem acumulado importantes conquistas políticas, econômicas e sociais e que o exercício democrático tem amadurecido. Entretanto, lamentam que grande parcela da população brasileira não tenha conhecimento das matérias que tramitam nas casas legislativas, principalmente os impactos que algumas geram a toda sociedade e os precedentes jurídicos que seus resultados somam ao passivo futuro.

Com a aprovação do projeto de lei 36/14, a forma de cálculo do superávit primário o governo não terá mais o limite de R$ 67 bilhões para abater despesas no cálculo do resultado fiscal, fixado anteriormente em R$ 116 bilhões para 2014. O abatimento das despesas já era previsto por regra em efeito na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Para grande parte dos parlamentares que foram contra a mudança, e conforme especialistas, essa lei vem ajudando o equilíbrio econômico e financeiro do Brasil.

Veja também

“A empresa precisa rejuvenescer”22/08/13 Os integrantes do Núcleo do Jovem Empreendedor (NJE) da Associação Comercial e Industrial de Chapecó (ACIC) visitaram, nesta semana, o Supermercado Celeiro Center. Os nucleados foram recebidos pelo sócio diretor da empresa, Amauri Batiston, que apresentou a história e a estrutura organizacional da empresa. Atualmente, o Celeiro conta com três lojas, cerca de 450......
ACIC recebe comitiva italiana14/10/16 A diretoria da Associação Comercial e Industrial de Chapecó (ACIC) recebeu, nesta quinta-feira (13), a visita de uma comitiva italiana da província de Trento, na Itália. Integraram o grupo o presidente da Optoi......
6º Boi no Rolete garante manutenção do Programa Viver03/09/13 Quem chegou para participar do 6º Boi no Rolete foi recepcionado pelas crianças atendidas pelo Programa Viver Ações Sociais que recitavam versos de poetas brasileiros. Uma forma singela de agradecer as cerca de 1.000 pessoas que......

Voltar para Notícias