NOTÍCIAS

Postado em 03 de Agosto de 2015 às 13h20

ACIC protesta contra o abusivo aumento da energia elétrica

Energia sobe 95% em um ano e SC paga o MWh entre os mais caros do Brasil

Enérgico protesto contra os reiterados e abusivos aumentos no custo da energia elétrica foi apresentado pela Associação Comercial e Industrial de Chapecó (ACIC), nesta semana, à Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL.
O presidente Bento Zanoni lamentou que “a grave crise que assola o País, provocada exclusivamente por erros de visão e de gestão do Governo Federal na condução da política macroeconômica nacional, deteriore-se ainda mais com a insensatez com que estão sendo autorizados os sucessivos aumentos no custo desse insumo essencial”.
Somente neste ano já foram decretados e praticados aumentos superiores a 40%, o que colocou muitas empresas, especialmente aquelas do setor industrial, em situação de grave dificuldade. Nos últimos 12 meses os reajustes representam “surpreendentes e inadmissíveis” majorações de 95%. Os efeitos deletérios dessas medidas já são sentidos: a indústria catarinense – uma das mais competitivas do Brasil – demitiu 9.200 trabalhadores nos últimos três meses.
O presidente da ACIC advertiu que o encarecimento da energia também afeta pesadamente a agricultura, a prestação de serviços e as empresas comerciais, anulando a eficiência gerencial e neutralizando resultados, deixando a maioria delas em dificuldades.
Em manifestação dirigida à ANEELL, o dirigente assinala que causa justa indignação o fato de, em período pré-eleitoral, o Governo Federal ter feito proselitismo com a propalada redução do custo da energia, gerando irresponsavelmente uma situação de desequilíbrio no sistema energético nacional que, agora, degenerou para essa onda de absurdos reajustes.
REAÇÃO
Em face desse quadro, a ACIC reivindicou à ANEEL a não-aplicação do reajuste previsto para agosto. A entidade prevê que, se ele for mantido, não restará outro caminho para milhares de empresas senão a redução da produção, a demissão de trabalhadores ou, em muitos casos, o próprio encerramento das atividades.
Bento Zanoni apontou que os catarinenses pagam uma das tarifas mais caras do País, pois, em Santa Catarina, o custo do MWh é de R$ 605,77 e a tributação fica em 43,88% enquanto, na esfera nacional, o custo médio brasileiro é de R$ 543,81 e a tributação média 37,25%.

Veja também

Assembleia geral da ACIC aprecia contas e elege novos conselheiros19/01/18 A Associação Comercial e Industrial de Chapecó (ACIC) e o Conselho Deliberativo reúnem-se, no dia 30 de janeiro, às 18h30 horas, na sede da ACIC, para um programa de três itens. Na pauta estão a prestação e aprovação de contas de 2017, eleição de novos conselheiros e eleição dos novos dirigentes do Conselho......
Feirão do Imposto reforça necessidade de reforma tributária29/10/19Ação promovida no fim de semana, em Chapecó, pelo Núcleo de Jovens Empresários da ACIC, mostrou incidência de impostos em produtos de uso popular Você já parou para pensar no quanto paga de imposto em cada produto e serviço que consome? Sabia que, atualmente, o brasileiro trabalha cerca de 150 dias ao ano somente para pagar seus tributos? Para contribuir na reflexão sobre o......

Voltar para Notícias