NOTÍCIAS

Postado em 11 de Agosto de 2014 às 11h17

Acic contra aumento da energia elétrica

Alto custo de energia elétrica prejudica a competitividade da indústria

O reajuste de 23,21% concedido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) à Celesc Distribuidora terá um efeito devastador na economia catarinense na avaliação do presidente da Associação Comercial e Industrial de Chapecó (Acic), Bento Zanoni. Os novos valores tarifários começam a vigorar nesta quinta-feira, 7 de agosto.

O dirigente assinala que o alto custo da energia elétrica prejudica a competitividade da indústria e encarece todos os produtos manufaturados. Lembra que o setor industrial é responsável por aproximadamente 46% do consumo de energia elétrica no Brasil.

Bento estranha que o reajuste autorizado pela Agência reguladora seja superior ao próprio pedido da Celesc Distribuidora, que era de 20,49%. Alerta que o custo elevado da energia reduzirá a capacidade das empresas exportadoras catarinenses de competirem no comércio internacional, como é o caso das agroindústrias do oeste barriga-verde. Além disso, tornará ainda mais caro todos os itens duráveis e não-duráveis produzidos no Estado.

O presidente da Acic lembra que nenhum produto teve aumento dessa grandeza nos últimos anos e que seu impacto no processo inflacionário será acentuado.

- “A equipe econômica do atual governo federal é a mais relapsa, fraca e tecnicamente incompetente desses 20 anos de Plano Real. Foi leniente no combate à inflação, cedeu às pressões político-eleitoreiras e deixou escapar as rédeas da economia. Por conta dessa ineficácia, os brasileiros estão na iminência de perder a maior conquista das últimas duas décadas que era, exatamente, o controle da inflação.”

De acordo com Zanoni, os trabalhadores em geral e as famílias são os que mais sofrem com a volta da inflação, cujos efeitos anularão os ganhos em termos de renda e qualidade de vida. Prevê, inclusive, redução da produção e demissões por conta dessa situação.

Zanoni alerta que os efeitos serão mais danosos no grande oeste catarinense, que padece da perda de competitividade das empresas pela falta de infraestrutura e distância dos grandes centros de consumo, êxodo de jovens, saída de capitais, migração das agroindústrias para o centro-oeste brasileiro, estagnação industrial, aumento dos custos de produção e incapacidade de atração de novos empreendimentos, além da deficiência no abastecimento de energia elétrica.

O presidente da Acic apela para que o Governo do Estado, como acionista majoritário da Celesc, reduza o reajuste à inflação do período. “A energia elétrica é um item pesado em nossos custos e, por isso, através do associativismo buscamos maior poder de representação junto às concessionárias de distribuição, às agências reguladoras e aos órgãos do governo, visando disseminar informações e discutir soluções para minimizar os custos, mas não somos ouvidos,” concluiu.

Veja também

NJE promove primeira Visita Empresarial de 201404/04/14 Edege recebe jovens empreendedores da ACIC em visita empresarial “Não há males que não venham para o bem”. Acreditando neste ditado popular, o empresário Bento Zanoni, enfrentou os percalços que surgiram no decorrer na sua trajetória profissional. Técnico agrícola por formação, ele ingressou no mercado de trabalho como empacotador......
Autoridade em Business Model Canvas estará na EXPEN 2014 11/03/14 O Business Model Canvas (BMC) teve origem na tese de doutorado de Alexander Osterwalder, defendido na Universidade de Lausanne, na Suíça, em 2004. Posteriormente, em 2009, com a ajuda de Yves Pigneur e de mais de 450 colaboradores ao redor do......

Voltar para Notícias