Aba 1

    NOTÍCIAS

    Postado em 17 de Junho de 2019 às 08h00

    Terceirização, um tema sempre em debate

    Capacitações (30)

    O tema "terceirização" é sempre objeto de dúvidas e equívocos no momento de sua aplicação. Tanto que já se tratou do tema em artigo publicado nesta Revista em maio/2015, quando em tramitação o Projeto de Lei do qual resultou na efetiva alteração legislativa.

    Mais do que nunca, a terceirização tem sido objeto de inúmeras abordagens e debates acalorados no ambiente empresarial e jurídico, fruto de alterações legislativas na esfera trabalhista efetivadas a partir do ano 2017. Primeiramente com a Lei 13.429/2017 trazendo inovação para autorizar a terceirização em qualquer atividade, saindo de cena o termo atividade-fim e atividade-meio.

    Posteriormente tivemos a Reforma Trabalhista, Lei 13.467/2017. Por fim, houve decisão do Supremo Tribunal Federal, no final de 2018, autorizando sua utilização em todas as atividades de uma empresa, para situações anteriores a alteração legislativa. Avaliando o cenário legislativo e judicial, pode-se imaginar que a discussão chegou ao seu fim. Ledo engano!

    Anteriormente as clássicas atividades terceirizáveis era serviço temporário, limpeza e conservação, vigilância e transporte. O atual cenário da terceirização deixou de ser a atividade desempenhada pela empresa, para serem exigidos requisitos, cuja inobservância pode resultar numa terceirização a qual futuramente pode ser considerada uma continuidade da relação de emprego.

    Alguns esclarecimentos se fazem necessários, como o de frisar que a demissão de funcionários para recontratação como pessoa jurídica (famoso termo "pj"), e manter a subordinação do trabalhador à empresa, continua ilegal e nem sequer foi objeto da decisão do Supremo.

    Outro ponto merecedor de destaque é o fato de anteriormente haver entendimento de responsabilizar o tomador do serviço em caso da empresa terceirizada não possuir patrimônio para arcar eventual condenação na Justiça do Trabalho, a chamada responsabilidade subsidiária. Hoje este entendimento é lei, ou seja, terceirizado o serviço há responsabilidade subsidiária do tomador quanto às verbas trabalhistas. A título de exemplo, é o caso do tomador de serviços desavisado, que não fiscaliza o recolhimento de INSS e FGTS dos trabalhadores que lhe prestam serviços através de empresa terceirizada, onde o tomador terá de responder pelo débito trabalhista da terceirizada.

    Indene de dúvida, as alterações legislativas trouxeram novas possibilidades anteriormente tolhidas diante da vedação a terceirização da atividade-fim, ou seja, daquela atividade que é objeto do contrato social ou estatutária. Contudo o empresário tomador de serviços deverá atentar as novas obrigações aplicáveis à terceirização e de forma bastante criteriosa a fim de excluir riscos, notadamente assessorar-se juridicamente através de profissional de sua confiança, além de contratar prestador de serviços idôneo, para que no futuro o benefício legislativo não se apresente como um salgado e amargo passivo trabalhista.


    Autora: Márcia Paula Bonamigo, advogada OAB/SC 37.443-A, assessora jurídica da ACIC, sócia do escritório Piccoli Advogados

    Veja também

    Mais de 90 profissionais esclarecem dúvidas sobre a reforma trabalhista09/10/17 A lei nº 13.467, sancionada no dia 13 de julho, altera mais de 100 pontos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), entra em vigor no dia 11 de novembro deste ano e ainda gera muitas dúvidas em profissionais dos mais diversos setores. Para auxiliar no esclarecimento das mudanças, a Associação Comercial e Industrial de Chapecó (ACIC) promoveu o curso......
    ACIC Open alerta sobre cuidados com a terceirização22/05/19Evento direcionado para micro e pequenas empresas teve participação de advogados que esclareceram dúvidas sobre a legislação Até entrar em vigor a lei 13.429 de 2017, era lícito terceirizar apenas as atividades-meio das empresas, além das clássicas atividades que já possuíam regulamentação para serem terceirizadas:......
    Empreendedorismo Redes sociais impulsionam o crescimento dos negócios19/02A especialista em marketing e administração Denise Gasparetto orienta sobre o uso do Instagram, do Facebook e do Whatsapp Para identificar o comportamento do consumidor, explorar ferramentas e garantir um bom atendimento pelo Instagram, Facebook e WhatsApp, a Associação Comercial e Industrial de Chapecó (ACIC) promoveu, nesta semana, o curso......

    Voltar para Notícias