Aba 1

    NOTÍCIAS

    Postado em 20 de Janeiro às 10h03

    Região reclama do abandono e entidades empresariais lançam o MANIFESTO PELO OESTE

    O Oeste não aceita mais a condição de território de segunda categoria, abandonado e desvalorizado. É preciso catarinizar o oeste, incorporando-o nas reais prioridades do Governo e da sociedade.

    Importantes entidades empresariais de Santa Catarina divulgaram hoje um contundente posicionamento - o MANIFESTO PELO OESTE - sobre o que consideram o abandono do grande oeste catarinense e a falta de investimentos públicos, situação crônica que resultou em extremas deficiências de infraestrutura.

    A Associação Comercial e Industrial de Chapecó (ACIC), o Centro Empresarial (CEC), a FAESC e as vice-presidências regionais da FIESC, FACISC e FECOMÉRCIO reclamam de uma relação de extrema injustiça na qual os impostos arrecadados não retornam em obras e serviços. Apontam que as deficiências de infraestrutura anulam os ganhos de eficiência das empresas e ameaçam o futuro da região.

    As entidades advertem que "a manutenção desse quadro de insuficiências decretará, em curto e médio prazo, a fuga de capitais, a evasão de empresas, a transferência das agroindústrias para o centro-oeste brasileiro, a destruição de empregos e o início de um perigoso movimento de entropia e desindustrialização".

    Na íntegra, o documento divulgado:


    MANIFESTO PELO OESTE

    As entidades abaixo-subscritas, inspiradas pelos superiores interesses da coletividade regional, vêm a público para manifestar o seguinte posicionamento:

    Desde o período de ocupação e colonização de Santa Catarina, o grande oeste tem sido uma região distante do centro do poder, ausente dos programas de investimentos dos Governos Federal e Estadual e com dificuldades para o encaminhamento e atendimento de suas mais legítimas reivindicações.


    As dificuldades de relevo e de topografia, a distância dos centros de consumo, as deficiências infraestruturais - entre outras dificuldades - foram vencidas pela tenacidade e pela vocação ao trabalho das etnias que desbravaram essa região. Em mais de um século de história, a região aprendeu a equacionar seus problemas sem a presença do Estado.


    As atividades econômicas instaladas e as cadeias produtivas em operação nas áreas da agropecuária, da indústria, do comércio, dos serviços e, mais recentemente, das empresas de base tecnológica, representam uma extraordinária capacidade de produção, geração de empregos, renda e arrecadação tributária para os cofres do Estado e da União federal.


    Observa-se, aqui, uma relação crônica e de extrema iniquidade. Os impostos arrecadados não retornam na mesma proporção em obras e serviços. Prova disso é que a região acumulou extremas deficiências e clama por investimentos urgentes em energia elétrica, abastecimento de água, rodovias, ferrovias, portos, aeroportos, comunicações, centros de pesquisas, hospitais, segurança pública (aumento do efetivo das Polícias Militar e Civil).


    Essas deficiências de infraestrutura anulam os ganhos de eficiência e competitividade das empresas em geral e do agronegócio em particular, tornando mais oneroso produzir no oeste.


    A soma desses fatores fortalece um sentimento atávico de abandono e desatenção que cala fundo na alma dos oestinos. Não é sem motivo que a região foi palco de movimento separatista, na década de 1980/1990, em prol da criação do Estado do Iguaçu.


    Esse quadro reflete, em grande parte, uma falta de protagonismo dos representantes da região na Assembleia Legislativa, no Congresso Nacional e na Administração direta e indireta do Estado e da União federal.


    Esse esquecimento e menoscabo é fruto, também, da inércia de sucessivos governantes, que não priorizaram as demandas dessa vasta e complexa região, nem compreenderam as dores dos oestinos - dedicando um tratamento desigual e perverso para as diferentes macrorregiões catarinenses.


    De parte da representação parlamentar observa-se, frequentemente, posicionamentos (votação) sem sintonia com as necessidades e anseios do oeste catarinense e, ainda, a ausência de pautas reivindicatórias ou definição de pautas reivindicatórias sem consulta às comunidades regionais, entidades e lideranças. É o caso da recente derrubada do veto presidencial ao projeto de aumento do Fundo Eleitoral para 2022, decisão dos parlamentares que recebeu o repúdio de toda a sociedade civil.


    É comum, também, o império do individualismo e a falta de posicionamento coletivo das bancadas do Oeste em questões de alta relevância para Santa Catarina.


    É hora de reparar essa injustiça. É hora de superar o imobilismo. É hora do empresariado, trabalhadores, estudantes, lideranças do campo e da cidade se unirem em um bloco robusto e monolítico em favor das grandes causas do oeste.


    A manutenção desse quadro de insuficiências decretará, em curto e médio prazo, a fuga de capitais, a evasão de empresas, a transferência das agroindústrias para o centro-oeste brasileiro, a destruição de empregos e o início de um perigoso movimento de entropia e desindustrialização.


    As entidades de representação empresarial que subscrevem esse MANIFESTO PELO OESTE apelam para que os cidadãos oestinos tenham atenção e critério na escolha de candidatos para o Governo do Estado, Assembleia Legislativa, Senado da República, Câmara dos Deputados e Presidência da República nas eleições deste ano.


    O Grande Oeste não pode continuar ausente dos programas governamentais de investimentos. Basta olhar a contextura do Sul do País para constatar a preterição de Santa Catarina, no orçamento geral da União, em favor do Paraná e do Rio Grande do Sul.


    O oeste precisa da duplicação da BR-282, da recuperação da BR-163 e de toda a malha rodoviária estadual (destaque para a crítica situação da SC-283), da construção de novos sistemas de suprimento de água, de novas subestações de energia elétrica e novas redes de distribuição, de gasoduto para gás de uso industrial, da qualificação dos aeroportos, do novo centro de pesquisa da Embrapa (para área de pastagens), de mais recursos para a saúde e das ferrovias Norte-Sul (Chapecó-Cascavel, braço da Ferroeste) e Leste-Oeste (São Miguel do Oeste-Itajaí).


    O oeste não aceita mais a condição de território de segunda categoria, abandonado e desvalorizado. É preciso catarinizar o oeste, incorporando-o nas reais prioridades do Governo e da sociedade.


    Chapecó, 20 de janeiro de 2022.

    ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CHAPECÓ (ACIC)
    LENOIR ANTONIO BROCH, PRESIDENTE.


    CENTRO EMPRESARIAL DE CHAPECÓ (CEC)
    RICARDO URBANCIC, PRESIDENTE.


    FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO ESTADO DE SC (FAESC)
    JOSÉ ZEFERINO PEDROZO, PRESIDENTE.


    FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DE SANTA CATARINA (FIESC)
    WALDEMAR ANTONIO SCHMITZ, VICE-PRESIDENTE REGIONAL OESTE.


    FEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS DE SANTA CATARINA (FACISC)
    MILVO ZANCANARO, VICE-PRESIDENTE REGIONAL OESTE.


    FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DE BENS, SERVIÇOS E TURISMO DE SC (FECOMÉRCIO),
    MARCOS ANTONIO BARBIERI, VICE-PRESIDENTE REGIONAL OESTE.

    Veja também

    MERCOAGRO 2014 - Workshop do Leite12/09/14 I Workshop do Leite discute alternativa sustentável e inovadora para tratamento de efluentes Agregar conhecimento técnico e científico a profissionais, estudantes e empresários interessados na área de industrialização de leites e derivados é objetivo do I Workshop do Leite, realizado hoje, 11 de setembro, durante a Mercoagro 2014. Durante as palestras,......
    Tendência do setor industrial é de crescimento09/09/20 A produção agroindustrial no Brasil cresceu 1,9% entre maio e junho, de acordo com levantamento do Centro de Estudos do Agronegócio (FGV Agro). Esse foi o segundo mês consecutivo de expansão do setor e mostra que o fundo do......
    Campanha do Núcleo de Academias motiva pessoas a doarem sangue08/10/20 Conscientizar sobre a importância da doação de sangue, estimular e incentivar que mais pessoas tenham adesão voluntária a esse ato de solidariedade. Esse foi o objetivo do Núcleo de Academias da......

    Voltar para Notícias