NOTÍCIAS

Postado em 23 de Abril de 2018 às 17h25

Profissionais aprofundam conhecimentos sobre rescisão de contratos de trabalho

  • ACIC CHAPECÓ -
  • ACIC CHAPECÓ -
  • ACIC CHAPECÓ -

Compreender as principais formas de término de contrato – pedido de demissão, despedida, justa causa, rescisão indireta e acordo entre as partes – foi objetivo do curso “Rescisão e meios de quitação de contratos de trabalho”, promovido pela Associação Comercial e Industrial de Chapecó (ACIC), na última semana. A capacitação também abordou as formalidades e procedimentos rescisórios e a quitação anual de obrigações trabalhistas. Os participantes estudaram, ainda, algumas formas de resolver conflitos entre empregados e empregadores, como as comissões de conciliação prévia, acordo extrajudicial e arbitragem.

Com a modernização das leis trabalhistas, houve mudanças em relação à rescisão. De acordo com o facilitador da capacitação, mestre em direito Ariel Silva, as principais mudanças foram: deixou de ser obrigatória a assistência sindical para validade do pedido de demissão de empregados com mais de um ano; unificou-se o prazo para pagamento das verbas rescisórias e entrega de documentos (10 dias); deixou de ser exigida pela lei a homologação das rescisões contratuais junto ao sindicato (algumas convenções coletivas ainda exigem a homologação); passou a ser autorizada a rescisão do contrato por acordo entre empregado e empregador; e inseriu-se uma nova modalidade de justa causa, qual seja, quando o empregado, dolosamente, perde a habilitação ou dos requisitos exigidos pela lei para exercer a profissão. Silva comentou que ainda existem questionamentos entre os profissionais. “O assunto é novo, alguns ficam em dúvida entre seguir a lei ou a convenção coletiva”.

De acordo com o advogado, o departamento de recursos humanos precisa estar atento às mudanças da lei que são constantes, às convenções coletivas e a eventuais abusos praticados pelas entidades sindicais. “Ocorrendo dúvidas quanto ao procedimento ou a postura diante de um caso concreto, há necessidade de envolver a área jurídica da empresa ou consultar um profissional especializado”, orientou.

Silva salientou que não é momento para assumir riscos sem a devida orientação profissional, nem para criar impasses com sindicatos. “Deve-se adotar uma conduta conciliatória, buscando o diálogo para equilíbrio de interesses entre empresa, empregados e sindicato, afinal todos têm que aceitar uma realidade imutável: terão que conviver uns com os outros por um bom tempo. Posturas intransigentes em momentos de transição tendem a custar mais caro para ambos os lados”, finalizou.

Veja também

FIESC/SESI e ACIC apresentam Fundo Social para empresários de Chapecó17/04/18Município tem potencial para investir R$ 20 milhões em leis de incentivo fiscal Um mapeamento realizado pela Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC) mostra que em Chapecó existem 70 indústrias do regime tributário de lucro real com possibilidade de fazer uso de incentivo fiscal, totalizando cerca de R$ 20 milhões. Os dados foram expostos nessa terça-feira (17), pela FIESC, por meio do Serviço Social da......
Como inovar no varejo e se manter competitivo no mercado27/02Tema foi abordado em palestra promovida nessa semana pela ACIC, CDL Chapecó e Senac Inovar é fundamental no cenário global, com consumidores que mudam o tempo todo e estão cada vez mais integrados e conectados. O varejista que deseja continuar competitivo no mercado precisa investir em novas ideias. O tema foi abordado......
ACIC lança Núcleo de Excelência19/10/18Grupo tem objetivo de disseminar a excelência em gestão e a melhoria contínua para as empresas associadas A Associação Comercial e Industrial de Chapecó (ACIC) lançou nesta sexta-feira (19) o Núcleo de Excelência que tem como objetivo disseminar a excelência em gestão e a melhoria contínua para as......

Voltar para Notícias