NOTÍCIAS

Postado em 15 de Dezembro de 2016 às 14h30

Entidades debatem melhorias no processo de emissão de alvarás

Melhorar os processos e discutir entraves para a abertura de empresas foi o objetivo da reunião promovida nessa terça-feira (13) na Associação Comercial e Industrial de Chapecó (ACIC). O encontro foi organizado pelo Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis, Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas no Estado de Santa Catarina (Sescon/SC), regional de Chapecó, e teve participação de representantes da ACIC, prefeitura, Corpo de Bombeiros, Sindicato dos Contabilistas de Chapecó (Sindicont) e do presidente da Junta Comercial do Estado de Santa Catarina (Jucesc), Júlio César Marcelino Jr.
A intenção foi debater todo o processo, desde o início, com o pedido de viabilidade da empresa feito pelo contador, até a análise na Jucesc, na prefeitura (por onde passa pelos setores predial, de obras, Vigilância Sanitária e tributos) e no Corpo de Bombeiros. “O intuito foi sentir as dificuldades dos empresários e ouvir os órgãos públicos. Ficou evidente que hoje, em Chapecó, o maior gargalo é a questão da acessibilidade”, frisou a diretora regional do Sescon/SC, Franciele Ghuolo Carneiro.
O presidente da ACIC, Josias Mascarello, relatou que a entidade recebe muitos questionamentos relacionados à acessibilidade. “As obras novas não têm problema, pois os projetos já são feitos conforme as exigências da legislação. A dificuldade está nas obras antigas, que precisam de adequações”, realçou.
Mascarello destacou que o secretário de Desenvolvimento Urbano de Chapecó, Wilson Lobo de Carvalho, apresentou um dado preocupante para o setor produtivo no que se refere à resolução dos problemas de acessibilidade: a dificuldade da prefeitura em gerir e dar maior velocidade à análise dos processos e sua liberação. Existem 1.325 processos pendentes e mais 1.250 não analisados. “Isso significa que 2.575 empresas estão empacadas. Isso não é possível se conceber em um momento em que a situação econômica é crítica. As micro, pequenas e médias empresas, que poderiam estar gerando empregos e renda, não conseguem ter seus processos liberados”, enfatizou.
Para atender as necessidades de adequações de obras, foi publicada a Portaria Nº 22, de 31 de maio de 2016, que estabelece critérios para avaliação de obras e projetos. A portaria criou métodos para viabilizar as adequações com o menor transtorno possível para as empresas e proprietários. “A Comissão Permanente de Acessibilidade (CPA) se reúne uma vez por mês e avalia os projetos, que depois vão para análise do prefeito e da promotoria pública”, explicou Carvalho.
Conforme Franciele, todos os órgãos públicos e entidades se colocaram à disposição para atuar de forma conjunta na melhoria dos processos. As reuniões com as entidades para a busca de soluções das dificuldades existentes serão retomadas em 2017.

Veja também

Núcleo da beleza recebe orientações sobre legislação trabalhista22/08/13 O Núcleo dos Profissionais de Beleza da Associação Comercial e Industrial de Chapecó (ACIC) promoveu, nesta semana, um encontro para esclarecer as dúvidas dos empresários nucleados relacionadas às questões trabalhistas. As orientações foram repassadas pelo assessor jurídico da entidade, Jonas Piccoli. coordenadora do núcleo,......
6º Boi no Rolete garante manutenção do Programa Viver03/09/13 Quem chegou para participar do 6º Boi no Rolete foi recepcionado pelas crianças atendidas pelo Programa Viver Ações Sociais que recitavam versos de poetas brasileiros. Uma forma singela de agradecer as cerca de 1.000 pessoas que......
Deatec avalia missão empresarial realizada no início de novembro18/11/15 Uma comitiva formada por empresários chapecoenses visitou, no início deste mês, o Vale do Silício – referência mundial em inovação, localizado na Califórnia. A missão teve como objetivo......

Voltar para Notícias